You are currently viewing Devemos ter expectativas?

Devemos ter expectativas?

Você tem medo de ter expectativas positivas? Esperar pelo melhor, e depois se frustrar? Esperar pelo melhor das pessoas, das situações… Nem todo mundo é assim.

Algumas expectativas podem ser boas e incentivá-lo a superar obstáculos e perseguir seus sonhos. 

No entanto, quando suas expectativas não são realistas, isso pode criar atrito, mal-entendidos, frustração e muito mais em sua vida.

Inclusive, certa vez o grande poeta inglês Alexander Pope disse: 

“Bem-aventurado aquele que nada espera, pois nunca ficará desapontado”.

Sem expectativas, sem decepção? Não seria uma vida fantástica!

No entanto, a realidade para a maioria é exatamente o oposto. Corremos com grandes expectativas e, como resultado, muitas vezes vivemos com decepções significativas. 

Especialmente quando vivemos em uma cultura que é dramaticamente diferente de nossa norma, ou quando nosso cônjuge ou parceiro vê o mundo de maneira muito diferente de nós.

Expectativas realistas x expectativas irrealistas?

A pergunta que devemos fazer é esta: nossas expectativas são realistas ou irrealistas? 

Dado o contexto da outra pessoa — suas raízes culturais, pontos fortes ou fracos de personalidade, preconceitos, etc. — podemos realmente esperar que ela atenda de acordo com nossas expectativas?

Se acreditarmos que nossas expectativas são realistas, mas a outra parte sempre falha em cumprir, rapidamente perdemos a esperança de que as coisas um dia serão diferentes. 

Nesse ponto, tendemos a desistir e encerrar o relacionamento ou permanecer no relacionamento, mas nos distanciar emocionalmente.

Essas malditas emoções!

Gostemos ou não, elas estão intimamente ligados às nossas expectativas. Quando as expectativas são atendidas, nossas emoções acompanhantes podem proporcionar muita alegria e emoção. 

Por exemplo, pense na expectativa de entrar em um avião, voar para uma praia tranquila onde as ondas batem a seus pés enquanto você bebe uma champagne e vê o sol se pôr no horizonte. 

Você mal pode esperar para entrar no avião e deixar os desafios da vida para trás. 

No entanto, se nessa viagem seu avião atrasar um dia, sua bagagem for perdida, o hotel não tiver um registro de sua reserva e uma tempestade soprou em sua praia pacífica, bem, então, esse é um resultado diferente.

Então, qual é a resposta? Rolar pela vida sem expectativas, para não causar decepções? Claro que não. Isso não é possível e contribui para uma vida monótona e enfadonha.

Mas e se pudéssemos fazer as coisas de maneira diferente? É possível gerirmos as nossas expectativas de forma a reduzir as desilusões e aumentar o fator de gozo da vida?

O cérebro como um projetor

Durante o aprendizado, o cérebro é um mecanismo de previsão que continuamente faz teorias sobre nosso ambiente e registra com precisão se uma suposição é verdadeira ou não. 

Dentro da neurociência, duas regiões-chave no cérebro foram identificadas: o tálamo desempenha um papel central na tomada de decisões. 

E o córtex insular, por outro lado, é particularmente ativo quando fica claro se a decisão certa ou errada foi tomada. 

Nesse sentido, a expectativa durante a aprendizagem regula conexões específicas no cérebro. Portanto, a previsão para a percepção sensorial relevante para a aprendizagem.

Um desafio que nossos cérebros enfrentam ao monitorar nossas ações são as informações inerentemente ambíguas que recebem. 

Experimentamos o mundo fora de nossas cabeças através do véu de nossos sistemas sensoriais: os órgãos periféricos e tecidos nervosos que captam e processam diferentes sinais físicos, como a luz que atinge os olhos ou a pressão na pele. 

Não desista das coisas boas

Uma coisa que precisa ficar claro é que as expectativas são essenciais. Elas são a vida dentro do nosso cérebro!

Mas devemos sempre olhar um pouco adiante. Ir além, e independente dos nãos que você receber, se manter visionário. Manter a visão naquilo que realmente importa.

É claro que há o medo da frustração, o medo de esperar e tudo dar errado. Mas a partir do momento que nos mantemos visionários, e vamos além, condicionamos nosso cérebro a atingir os resultados.

E você, treina seu cérebro para se tornar visionário? Se ainda não, então conheça meu canal no Youtube. Lá tenho muitos vídeos que tenho certeza que você vai amar!